Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ao luar comigo

22
Mar19

És amor

Inês Santos

414SPduR.jpg

Não foste um acaso, nem uma sorte. Foste desejo e paixão e és amor. Aqui. Agora. Neste segundo e em todos os que se seguem és amor. E o teu amor não é um amor qualquer. Ele rasga-me ao meio e faz de mim tudo o que eu sempre ansiei que um amor de verdade me fizesse. Morro de medo que a vida nos troque as voltas, choro como uma louca e é este o preço de te ter todos os dias. Rezo por tudo que este preço nunca deixe de me ser cobrado. Quero continuar a crescer contigo. Preciso que me lembres o quanto tua, mimada e chata sou. Tirar-te o sono, encher-te de beijos e dar-te toda a minha atenção e carinho tem que fazer parte dos meus dias. Longe, ou perto. No nosso melhor ou pior eu só peço uma vida contigo. Que as tuas mãos nunca deixem de passear pelo meu corpo. Que todas as noites passem a manhãs preguiçosas numa cama contigo. Que me ensines mais e que o meu cabelo nunca deixe de te fazer cócegas. Que o tempo espere por nós e que nenhum obstáculo seja maior que a nossa história e planos. Estava escrito nas estrelas? Foi obra do destino ou essas tretas de que todos falam? Que se lixe tudo isso. Não há explicação para nós. Morro de amores por ti e sabe tão bem.

10
Jan19

Tua

Inês Santos

49599560_1989133274533903_4087142156488146944_n.jp

Consegues reconhecer o peso de uma pena sem a pesar? Faz-me ser tua e eu garanto-te que vais ter a noção. Queres-me mostrar o que é felicidade? Sê meu. Conta-me as tuas histórias de rapaz mal comportado. Fala-me dos teus medos, confessa-me os teus erros e falhas. Conta-me tudo. Na noite passada quis-te mas tu não vieste, diz-me por onde andaste. Não me mintas, não me ocultes coisa nenhuma. Confia em mim às cegas, eu não deixo que tu tropeces. Agora anda, deita-te comigo, adormece-me como só tu sabes fazer. Faz-me chamar por ti mesmo tendo te por perto. Não te vás embora. Suporta o meu mau feitio e não dês um único paço mesmo que eu te mande embora. De certeza que eu te vou dizer mais que uma vez para me largares, mas não o faças, por favor. Sabes como eu sou, a minha insegurança faz-me ser assim. Peço-te para que nada te deixe afectar, que nada te tire de mim, nem mesmo eu própria. Tu e eu sabemos que das piores coisas da vida é viver com medo. Eu não tenho medo de ti, tenho medo dos meus sentimentos. Não me leves a mal, mas talvez devesses sair do meu quarto o mais rápido possível. Volta daqui a uns dias quando eu não estiver tão assustada. Dá-me tempo e espaço, mas se não fores capaz também não faz mal. As indecisões reinam agora na minha cabeça. Sei que te quero, só não sei a que ponto estou disposta a deixar-me ir por ti. Afasta-te, quero recuperar o fôlego, pára de me beijar. Solta-me e deixa-me ir beber um copo de água à cozinha. Não venhas atras de mim. Mas, se eu voltar ao quarto nua vais te importar? Desculpa os meus impulsos, não sei como os controlar. Livra-me que me arrependa e vem ter comigo. Entrelaça a tua mão na minha, agarra-me pela cintura e guia me até a minha cama que tão bem nos conhece. Pelo caminho beija-me e eu prometo que me entrego a ti. É hoje que me mostras que sabes cuidar de mim? À medida que me tocas percebo que o teu toque é quente. Acredita que se eu não estivesse a arder por dentro podia jurar que me queimavas. Eu não sou de vidro mas contigo sinto-me como se fosse. Aconchegares-me para perto de ti com certeza que não me vai por em perigo. Neste momento não sei o que te pertence mais, se é o meu corpo ou a minha alma. Sinto-me a fraca mais forte da história. Se eu adormecer, ainda cá vais estar pela manhã? Sem pressas, regras ou limites, é assim que eu quero ser tua.

31
Dez18

Ele

Inês Santos

kDvTHXHG.jpg

Café sem açúcar, insónias, pesadelos, drogas e arte, muita arte. Olhos cansados escuros, voz doce que ele arrasta sem querer. Cabelo engraçado, sorriso de quem sempre se perde. Riso alto, passos acelerados. Mãos fortes e uns braços que me acolhem como ninguém. Nada iguais, tão diferentes e há tanto dele em mim.

30
Nov17

Já não és mais

Inês Santos

 

bizrsn4m.jpg

A tristeza tocou-te, abraçou-te, namorou-te até se viciar em ti. As velas chegaram ao fim, as roupas romperam-se, a tinta gastou-se e o chá esfriou-se. A escuridão é agora o teu conforto, a lua guia-te e as estrelas parecem perder o brilho a cada lágrima que deixas escapar. As noites bem dormidas desapareceram, as manhãs energéticas acabaram e tu ainda aqui estás. És dona de olheiras impossíveis de disfarçar e de um cabelo naturalmente cheio de nós. A temperatura do teu corpo é incerta, assim como ganhas e perdes vontades a cada batida do relógio. Minutos viraram horas em que involuntariamente decoras cada detalhe do teu quarto. As paredes antigamente azuis são agora o palco de assustadoras imaginações. Sobrevives com um coração cansado e uma mente baralhada. Eras tu, a simpática, a sorridente e a bondosa morena do 4° andar. Já não és mais.

Mais sobre mim

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D